sexta-feira , fevereiro 21 2020
http://bit.ly/aFORÇAdoEMPREENDEDOR

IAB é contra PL que prevê controle das movimentações financeiras de advogados

IAB – Instituto dos Advogados Brasileiros se posicionou contrário à proposta de alteração da lei dos Crimes de Lavagem de Dinheiro (9.613/98) com o objetivo de incluir os advogados no rol do artigo 9º, que relaciona as pessoas sujeitas a mecanismos de controle de suas movimentações financeiras e transações comerciais.

O plenário do IAB aprovou, por unanimidade, os pareceres dos relatores André França Barreto, da Comissão de Direito Penal, e Luiz Viana Queiroz, da Comissão de Direito Constitucional, contrários ao PL 3.787/19.

Segundo a justificativa do projeto, a inclusão dos advogados e escritórios de advocacia no âmbito dos que devem ter os seus fluxos financeiros monitorados, equiparou à lavagem de dinheiro os pagamentos de honorários advocatícios feitos por meio de valores suspeitos de ter origem ilícita.

O PL propõe, ainda, alteração no Código Penal, para que sejam enquadrados no crime de receptação qualificada aqueles que receberem honorários advocatícios sabendo que são provenientes de produto de crime. A pena prevista é de um a quatro anos de reclusão.

O projeto também propõe que, para minimizar os riscos de se tornarem réus em ações criminais, os advogados deveriam realizar uma ampla investigação para verificar as fontes de recursos de cada potencial cliente. Além disso, sugere que os advogados sejam obrigados a informar ao Coaf todos os valores recebidos de clientes.

Atualmente, a proposição está sujeita à apreciação do plenário da Câmara dos Deputados.

Posicionamento

Os relatores classificaram o projeto como inconstitucional e atentatório aos princípios e garantias relativos ao exercício da advocacia. “É mais uma tentativa de criminalização da advocacia, especialmente a criminal”, afirmou Luiz Viana Queiroz em seu parecer, sustentado pelo presidente da Comissão de Direito Constitucional, Sergio Sant’Anna. De acordo com André França Barreto, “esta não é a primeira e, ao que parece, não está perto de ser a última”.

André França Barreto criticou duramente a proposta de investigação dos clientes e disse que o PL visa a enfraquecer a proteção ao indivíduo frente ao Estado. “Desde a promulgação da Carta cidadã, nos idos de 1988, jamais estivemos tão distantes da democracia”, afirmou o criminalista, comentando em seguida a importância da advocacia para a proteção da cidadania: “A Constituição Federal prevê expressamente, em seu artigo 133, a indispensabilidade do advogado na administração da Justiça”. Ainda conforme o relator, “o direito penal não está a serviço do Estado, mas do indivíduo, que tem como última fronteira não a lei, mas o advogado”.

Em seu parecer, Luiz Viana Queiroz também não poupou críticas ao projeto de lei: “Além de inconstitucional, a proposta é incompatível com a magnitude constitucional do direito de defesa, como também contrária ao legítimo exercício da advocacia e aos pressupostos que fundamentam a criminalização da lavagem de dinheiro”.

Para Luiz Viana Queiroz, estariam sujeitos à criminalização de suas atividades profissionais “o funcionário que recebe salário de uma empresa que sonega impostos, o médico que cobra consulta daquele que auferiu recursos de maneira ilícita e, ainda, o candidato a cargo eletivo que recebeu doação eleitoral oficial de quem praticou um crime e destinou parte do produto da infração penal a esse fim”.

Migalhas

Veja Também

Caixa anuncia financiamento imobiliário com juros fixos

A Caixa Econômica Federal anunciou o lançamento de uma nova linha de crédito habitacional com …