terça-feira , dezembro 7 2021

Advogado faz sucesso ao ir contra o tradicionalismo, criticar processos judiciais e apostar nas Novas Profissões Jurídicas

Marcílio Guedes Drumond@advogadodestartups, advogado de 31 anos, conhecido como “Advogado de Startups”, nunca se sentiu confortável com o Direito Tradicional, muito menos com a dinâmica lenta e em grande parte das vezes injusta dos Processos Judiciais.

Para Marcílio, “é frustrante depender financeiramente de processos judiciais porque, por mais ágeis que eles tentem ser, são pelo menos 10 vezes mais lentos do que o ritmo atual da nossa vida”. Segundo ele, esse fluxo naturalmente lento de trabalho dos processos judiciais representa uma grande energia vital estagnada, “sendo totalmente tóxico e contrário à lógica natural da prosperidade”.

Marcílio afirma ainda que está cada vez mais claro que infelizmente a justiça não é justa, seja porque verdade real e verdade processual muitas vezes não coincidem, seja pelos vieses decisórios dos julgadores, ou pela dificuldade do sistema judiciário em ler com atenção todos os documentos. Ele afirma: “É difícil existir alguém que já advogou em processos judiciais e que não tenha vivenciado a experiência de escrever uma petição magnífica, mas que foi simplesmente ignorada”.

O Advogado afirma que esses motivos, além do que ele chama de “travamento do direito tradicional”, foram os fatores que o fizeram, há quase 10 anos, testar diferentes e inovadores caminhos. Para ele, “o pensamento jurídico tradicional quer manter o status quo, é averso ao risco e vê de forma muito negativa a diversidade de oportunidades e estilos de vida propiciados pelo Digital”. E completa: “A Transformação Digital existe há cerca de 25 anos, mas a maioria dos juristas sequer sabem do que se trata”.

O advogado tem conhecimento de causa, pois já vivenciou diversos modelos de negócios de Advocacia. Começou no interior do Brasil, com escritório físico, passando a ter um escritório híbrido já em 2014, adicionando sedes digitais em duas capitais do país, Belo Horizonte e São Paulo. O próximo passo foi se tornar Sócio Nacional de uma das maiores bancas do país — com faturamento mensal multimilionário e mais de 500 advogados —. Atualmente é sócio do Silva Schütz Advogados, especialistas em Startups, empresas de Tecnologia, Inovação e Investimentos, considerado pelo mercado como um dos escritórios mais inovadores do Brasil e detentor do selo Great Place to Work (um dos melhores lugares para se trabalhar no mundo).

E ele não para por aí. É criador da Advogado de Startups Academy, uma das maiores escolas de inovação jurídica do país. Marcílio afirma: “Eu escolhi pela liberdade em viver, há um bom tempo, uma advocacia 100% digital, focada nos negócios típicos do digital — as startups —, ao mesmo tempo em que criei minha própria Startup de educação jurídica inovadora”. Pela sua vertente educacional o Advogado já ajudou a desenvolver mais de 60 mil juristas nas novas habilidades e profissões jurídicas.

Marcílio explica que é apaixonado por desenvolvimento de negócios e pessoas, mas que hoje tudo deve ser feito pela perspectiva da Transformação Digital, ou seja, partindo dos métodos das Startups. Ele afirma que “As pessoas falam muito em se adequar à LGPD e outras questões jurídicas, mas se esquecem que o Direito não pode mais ser pensado de forma isolada, isso é um grande erro”.

O Advogado afirma que neste contexto de Transformação Digital a multidisciplinariedade prevalece, o que faz surgir as Novas Profissões Jurídicas. “Até a data de hoje já mapeei pelo menos 34 novas profissões jurídicas, a maioria delas sem necessidade de OAB. Porém este não é um número estático, pois a cada mudança no Digital surgem novas oportunidades”.

Como exemplo de profissões jurídicas novíssimas, o Advogado fala de 3 oportunidades geradas pelo Metaverso: “Advogado de Contrato Inteligente (Smart Contract), Caçador de Recompensa de Dados e Executor de Ativos Digitais”. E completa dizendo que essas 3 novas profissões jurídicas ainda são um pouco mais distantes do contexto brasileiro, mas que há dezenas de outras oportunidades já sendo vivenciadas por milhares de juristas.

 

Marcílio Drummond explica que o Direito precisa se adaptar à Nova Economia, surgida com o crescimento do Digital, com o aprofundamento em Transformação Digital/Startups, Legal Design, Visual Law, LGPD, Direito Digital, Marketing Jurídico e Novas Profissões Jurídicas. “É preciso entender que todas essas inovações no Direito estão relacionadas às Startups, que são o motor da Transformação Digital. O Digital e as redes sociais foram criadas neste movimento, ou seja, não existe, por exemplo, Prospecção e Marketing Jurídico efetivos sem um conhecimento aprofundado nos métodos das Startups”.

Por todo este contexto o advogado afirma que é muito mais prazeroso, gratificante, rentável e saudável viver do Direito com as Novas Profissões Jurídicas. “Enquanto os processos judiciais representam conflito, stress e insegurança, por outro lado, as novas profissões jurídicas estão atreladas a crescimento de negócios e melhoria da experiência das pessoas. É um ambiente mais leve e próspero, por isso me dedico a ele”.

Site: advogadodestartups.com.br

Instagram: @advogadodestartups 

Veja Também

Juíza suspende atividade profissional de sete advogados suspeitos de fraude; OAB-GO vai recorrer

Sete advogados tiveram a atividade profissional suspensa cautelarmente, por força de decisão judicial, por suspeita …