sexta-feira , dezembro 4 2020

Covid-19: vacina de Oxford pode ser aprovada até o final do ano

Vacinação está prevista para abril de 2021 em idosos de instituições, cuidadores, profissionais de saúde e idosos acima de 80 anos no Reino Unido

Pesquisadores que desenvolvem a vacina contra a covid-19 na Universidade de Oxford e na AstraZeneca estão otimistas de que ela possa receber a aprovação regulatória até o final do ano, permitindo a vacinação de adultos no Reino Unido em abril de 2021, segundo publicação do jornal britânico The Times neste sábado (3).

A candidata à vacina está na fase 3 dos ensaios clínicos, última antes de receber a aprovação dos órgãos reguladores para imunizar a população.

No final de agosto, a União Europeia (UE) fechou um primeiro contrato com a farmacêutica AstraZeneca que garante o acesso a 300 milhões de doses. O acordo foi assinado em nome dos estados-membros e as doses serão distribuídas proporcionalmente conforme a população de cada país.

O jornal The Times informou que a vacinação no Reino Unido, que excluiria crianças, seria feita pelo menos seis meses após a aprovação de uma vacina, seja ela de Oxford ou não.

As autoridades vão capacitar profissionais de saúde, como parteiras e fisioterapeutas, na aplicação da vacina, enquanto a instalação de centros especiais está prevista para fazer frente aos desafios logísticos de inocular milhões de pessoas em um curto espaço de tempo, acrescentou o jornal.

Estima-se que dar duas doses da vacina a cada um dos 53 milhões de adultos no Reino Unido exigirá 600 mil doses diárias em um período de seis meses, mas, para fazer o mesmo em três meses, será necessário fornecer 1,2 milhões por dia.

Os idosos que vivem em lares de idosos e os funcionários que cuidam deles serão os primeiros a serem vacinados, seguidos pelos trabalhadores de saúde britânicos e aqueles com mais de 80 anos.

Depois será a vez dos maiores de 65 anos e dos jovens em grupo de risco, seguidos dos maiores de 50 anos, enquanto os jovens serão os últimos a serem imunizados, acrescenta o jornal.

Em setembro, a Universidade de Oxford retomou os testes clínicos após terem sido interrompidos por um curto período devido a uma reação adversa sofrida por uma voluntária.

Além do contrato da UE com a AstraZeneca, os governos da Argentina e do México, bem como a Mexican Slim Foundation, chegaram a um acordo com a farmacêutica e Oxford para fabricar a vacina destinada a seus países e depois distribuí-la para o resto da América Latina, exceto Brasil.

R7

Veja Também

Proposta da Pfizer prevê vacinar milhões no 1º semestre de 2021

Empresa afirma que apresentou ao governo federal proposta de comercialização do imunizante para aplicação nos primeiros …