sexta-feira , dezembro 4 2020

Após ter recurso negado, defesa de Witzel recorre da decisão de Fachin

Advogado do governador afastado alegou que ele não pode apresentar sua defesa antes que a decisão fosse tomada no STF

A defesa do governardor afastado Wilson Witzel recorreu da decisão do ministro Edson Fachin, do STF (Supremo Tribunal Federal), que rejeitou a volta dele ao cargo no Rio de Janeiro.

De acordo com o advogado de defesa de Witzel, para decretar medidas cautelares penais, como afastamento do cargo, tem que se ouvir o réu antes, exceto em caso de urgência.

“Alegamos ilegalidade da decisao que o afastou por não cumprir o art 282 e por não indicar os requisitos de cautelaridade obrigatórios em medidas cautelares penais”, disse.

O afastamento foi determinado pelo relator da investigação contra o governador afastado, ministro Benedito Gonçalves, e referendado pela Corte do Superior Tribunal de Justiça no começo de setembro.

Para a defesa não havia urgência no pedido do afastamento, “tendo em vista que a decisão do ministro Benedito que o afasta é assinada dia 18 e só é cumprida 10 dias depois pela Polícia Federal que foi intima-lo da decisão para que ele fosse efetivamente afastado”.

O recurso foi apresentado na última quinta-feira (1º), no âmbito da ação apresentada em 14 de setembro.

Os advogados alegaram que Witzel não pode apresentar sua defesa antes que a decisão fosse tomada, ou seja, não teve direito ao “contraditório”.

“O código diz que ele teria que ser ouvido em cinco dias e como isso não aconteceu, todos os fundamentos para decisão do afastamento são baseadas em afirmações unilaterais da acusação, sem a participação da defesa”, finalizou.

O ministro Benedito Gonçalves justificou a decisão como necessária para frear uma susposta liderança de Wilson Witzel sobre a organização criminosa investigada por desvios na área da Saúde do Rio de Janeiro e também da “engenharia criminosa” nos cofres públicos do cidade. Witzel está afastado do cargo desde o dia 28 de agosto.

Além disso, o governador afastado também é julgado no pedido de impeachment na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro).

*Sob supervisão de Paulo Guilherme

 

R7

Veja Também

Toffoli manda PF ouvir ministro por fala sobre homossexuais

STF apura possível crime de homofobia em entrevista na que Milton Ribeiro relaciona homossexualidade a …