OAB pede sustentação oral virtual em tempo real ao TRF-4 durante pandemia

Ainda que necessária devido ao contexto da necessidade de isolamento social durante a pandemia da Covid-19, a Resolução TRF-4 18/2020, pela qual o Tribunal Regional Federal da 4ª Região disciplina as intervenções dos advogados nas sessões virtuais de julgamento, não agradou as OABs do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Em ofício, as seccionais fizeram sugestões para readequação.

A principal delas diz respeito à sustentação oral, que segundo o TRF-4 não ocorrerá em tempo real. A recomendação cita a juntada de memoriais e arquivos de áudio e vídeo de forma “totalmente desconectada do momento oportuno”, na avaliação da OAB.

“Uma sustentação oral lida, assistida ou ouvida fora de tal contexto é fria, pro-forma, distante do objetivo do instituto que — forçoso lembrar — a tantos tribunos consagrou. Notadamente, é durante a leitura dos votos que uma questão de ordem, levantada da tribuna, pode chamar a atenção do Relator ou de outro Desembargador votante para algo que pode mudar o rumo do julgamento, o que jamais ocorrerá com a adoção da sistemática de sustentação de argumentos entabulada nos regramentos sob análise”, diz o ofício.

Assim, requer à direção da corte federal a expressa garantia de, ainda que de forma virtual, a sustentação ocorra em tempo real e durante a votação e discussão do colegiado. O modelo é inclusive utilizado em outros Tribunais Regionais Federais, como o da 5ª Região, e mais recentemente implementado no Supremo Tribunal Federal.

Oposição ao julgamento e prazo
As seccionais da Ordem que se submetem à 4ª Região da Justiça Federal ainda trazem dois pedidos relacionados à Resolução TRF-4 18/2020. O primeiro trata da possibilidade de oposição ao julgamento virtual por parte dos advogados, objetivando justamente a sustentação oral — mas presencialmente, quando o funcionamento da corte se normalizar.

“Merece ser respeitada eventual decisão do advogado da causa por aguardar o julgamento presencial, após a normalização dos atos processuais, em detrimento da desejada celeridade processual; afinal, ninguém melhor que o procurador da causa, que mantém contato com a parte e conhece sua realidade, para aferir a importância da sustentação oral presencial no caso concreto”, dizem as seccionais.

Além disso, as OABs chamam a atenção para os prazos para que a parte protocolize a “sustentação de argumentos”: dois dias para as causas cíveis e um dia para as causas criminais. Este prazo, afirmam, é insuficiente porque não consiste apenas em elaboração do requerimento, mas também preparação de memoriais ou confecção de áudios ou vídeos.

“Não há como se comparar o acesso às tecnologias disponíveis nas capitais com a realidade de cidades interioranas. A situação torna-se ainda mais grave quando se analisa o domínio das tecnologias que será exigido para gravação desses arquivos de áudio ou áudio e vídeo, para advogados com idade mais avançada. Basta recordar a dificuldade de adaptação dessa parcela de profissionais quando da migração dos processos físicos para os eletrônicos, que foi feita gradualmente”, explicam.

 

Conjur

Veja Também

PGR pede que STF apure se ministro da Educação cometeu crime de homofobia

Milton Ribeiro afirmou em entrevista que ‘não concorda’ com quem ‘opta por ser homossexual’. Em …