Brasil estuda comprar vacina da Pfizer contra covid-19

Mais cedo, porta-voz da farmacêutica afirmou que Ministério da Saúde negocia encomenda do imunizante, que mostrou resultado promissores

O Ministério da Saúde afirmou que todas as vacinas contra covid-19 com estudos avançados no mundo estão sendo analisadas para possível aquisição, inclusive a da Pfizer, após a farmacêutica norte-americana ter anunciado que seu imunizante apresentou eficácia de pelo menos 90% em seus testes.

“O Ministério da Saúde tem trabalhado em diversas frentes para alcançar com agilidade e segurança uma solução efetiva para a cura da covid-19 no Brasil. Todas as vacinas com estudos avançados no mundo estão sendo analisadas, inclusive a do laboratório Pfizer”, disse o ministério em nota.

“Atualmente, o Ministério acompanha cerca de 254 pesquisas, algumas com testes já bem avançados. Todas as apostas necessárias serão feitas para achar uma solução efetiva, em qualidade e quantidade necessárias para imunizar a população brasileira”, finalizou.

Mais cedo, um porta-voz da Pfizer no Brasil havia informado que o governo do presidente Jair Bolsonaro mantém negociações com a empresa para comprar a vacina experimental contra a covid-19 da farmacêutica e incluí-la no Programa Nacional de Imunização do Ministério da Saúde.

A vacina passa atualmente por testes clínico em estágio avançado no Brasil com 3.100 voluntários nos Estados de São Paulo e da Bahia e seria importada das fábricas da Pfizer nos Estados Unidos e na Europa, disse o porta-voz, sem dar mais detalhes.

Pela manhã, a Pfizer anunciou que sua candidata a vacina mostrou ter eficácia superior a 90%, com base em dados iniciais dos ensaios clínicos em estágio avançado.

A empresa e sua parceira alemã BioNTech são as primeiras farmacêuticas a anunciarem dados bem-sucedidos de um ensaio clínico em larga escala com uma potencial vacina contra o coronavírus.

As empresas disseram que até o momento não encontraram nenhuma preocupação de segurança com a candidata a imunizante e que esperam pedir autorização para uso emergencial da vacina nos Estados Unidos ainda neste mês.

Contudo, o governo brasileiro vinha apostando na vacina desenvolvida pela Universidade Oxford em parceria com o laboratório da AstraZeneca.

Bolsonaro chegou a vetar um potencial acordo para a aquisição de 46 milhões de doses da vacina da chinesa da Sinovac, outro imunizante com estudos avançados e produzida no país pelo Instituto Butantan, vinculado ao governo paulista, comandado pelo desafeto dele, João Doria (PSDB).

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) informou que acompanha as notícias em relação à vacina da Pfizer, mas disse ainda não recebeu oficialmente novas informações acerca da eficácia do imunizante.

Cabe ao órgão regulador autorizar estudos e a aprovação de quaisquer vacinas em solo brasileiro.

Copyright © Thomson Reuters.

Veja Também

Coronavírus: mundo chega a 11 mil mortes diárias pela primeira vez desde o início da pandemia

O número global chega a esse pico, segundo dados da universidade de John Hopkins, em …