Imobiliárias mudam reajuste do aluguel após disparada do IGP-M

Alta de 25,7% da “inflação do aluguel” nos últimos 12 meses será aplicada aos contratos com vencimento em fevereiro

recente salto do IGP-M (Índice Geral de Preços – Mercado), popularmente chamado de “inflação do aluguel”, fez com que algumas imobiliárias adotassem a inflação oficial do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) para reajustar os novos contratos de locação.

Caso a medida já valesse para os contratos em vigor, um aluguel no valor de R$ 1.000 com vencimento neste mês de fevereiro seria reajustado em cerca de R$ 46 (+4,6%), conforme expectativas do mercado financeiro. Com o IGP-M, a alta será de R$ 257,40 (+25,74%).

“Já estávamos identificando que o IGP-M era o mais adequado para ser a referência para o reajuste do aluguel por alguns fatores, mas o principal deles é a composição que sofre muita influência do câmbio. […] Isso torna o indicador muito volátil”, afirma José Osse, diretor de comunicação do QuintoAndar, aplicativo imobiliário que adotou a inflação como indexador dos contratos de locação em novembro de 2020.

Para Osse, a composição atrelada ao dólar “foge da realidade” dos brasileiros, que calculam a inflação pessoal de acordo com os produtos que consomem. “Após uma análise mais profunda, a gente percebeu que o IPCA é mais próximo da realidade dos contratos de aluguel e não era algo muito distante do que as pessoas vivem no dia a dia”, aponta ele.

A diretora jurídica da Lello, imobiliária que também adotou o IPCA para reajustar os novos contratos de locação, Moira de Toledo Bossolani, diz que a decisão visa reduzir o impacto sobre os reajustes. “A emergência imobiliária que se coloca é a manutenção dos contratos de aluguéis, atendendo às necessidades de locadores e locatários, já muito afetados pela pandemia, e evitando a desocupação dos imóveis”, explica.

O cálculo do IGP-M, divulgado mensalmente pela FGV (Fundação Getulio Vargas) considera a variação de preços de bens e serviços, bem como de matérias-primas utilizadas na produção agrícola, industrial e construção civil. A disparada do indicador foi iniciada em maio do ano passado. Desde então, índice acumulado em 12 meses teve oito altas consecutivas e passou de 6,7% para os atuais 25,7%.

Como o reajuste pela inflação oficial só é válido para aqueles contratos firmados após a nova determinação, os representantes das imobiliárias defender a negociação como a melhor forma para evitar que os pagamentos pesem no bolso de ambas as partes. “Com um reajuste alto, o proprietário corre o risco quando do inquilino não ter condições ou interesse de manter o aluguel e, eventualmente, sair do imóvel”, avalia Osse, do QuintoAndar.

R7

 

Veja Também

Após um ano de aprovada,Lei das Sociedades Anônimas de Futebol tem balanço positivo

Sob pelo menos três pontos de vista, a lei que criou as sociedades anônimas do …