Pandemia não é o momento para fazer dietas restritivas

Cortar algum grupo de alimentos por completo pode abalar o sistema imunológico, aumentar a ansiedade e gerar compulsão, dizem especialistas

Na saga pelo emagrecimento rápido e a qualquer custo, muitas pessoas decidem aderir a dietas restritivas. Especialistas afirmam, no entanto, que este não é o caminho – sobretudo em tempos de pandemia.

Segundo a nutricionista Gabriela Cilla, de forma geral, dietas restritivas provocam uma diminuição energética, problema que é agravado no inverno em decorrência das baixas temperaturas.

“A temperatura humana gira em torno de 35ºC, 36ºC. Se no inverno temos temperaturas de 14ºC, 15ºC, o corpo tem que trabalhar muito para não fazer nosso corpo perder temperatura para o meio externo, isto é, passar frio”, explica. “Quando há um gasto mais elevado e uma ingestão abaixo do usual, com certeza haverá uma desordem nesse fator imunológico.”

Alguns grupos de alimentos, como carboidratos, são fontes elementares de energia para o organismo. Cortá-los por completo, portanto, como se faz na dieta cetogênica, por exemplo, pode ser prejudicial, de acordo com Gabriela.

A dieta detox também pode ser uma agressão ao organismo nesse período, segundo a especialista. A primeira fase da dieta, que dura de dois a três dias, consiste em uma alimentação exclusivamente líquida, com o consumo de cerca de mil calorias por dia.

De forma geral, dietas restritivas aumentam os índices de ansiedade e, em muitos casos, podem gerar compulsão alimentar – fatores que deixam as pessoas especialmente vulneráveis em tempos de pandemia, nos quais a ansiedade se faz naturalmente presente.

“A pessoa pensa ‘poxa, não consegui seguir uma dieta’. Aí ela larga mão e come tudo. Aí vem a questão do arrependimento. Aí ela pensa ‘não, agora eu vou seguir’. Aí ela inicia de novo um projeto de restrição, e isso gera frustração. Vira um círculo vicioso. Na pandemia, estamos mais sujeitos a isso porque passamos mais tempo em casa”, afirma Gabriela.

Segundo as especialistas, durante o período de compulsão, a pessoa também fica mais suscetível a comer alimentos pouco nutritivos, sobretudo aqueles com alto teor de açúcares, corantes e conservantes, o que também abala o sistema imunológico.

A orientação, portanto, inclusive para pessoas obesas, que estão no grupo de risco para covid-19, é que dietas restritivas sejam substituídas por uma reeducação alimentar, isto é, um plano que inclua todos os grupos de alimentos. “Na reeducação, não há restrições. O paciente pode comer de tudo, desde que moderadamente. Ele, então, consegue lidar com isso todos os dias e alcançar seus objetivos”, afirma Gabriela.

Thaís ressalta que tão importante quanto o que se come, é como se come. “As refeições devem ser feitas com atenção plena, isto é, sem distrações.  Dessa forma, não comemos além do necessário.”

R7

 

Veja Também

São Paulo atinge pico de internações durante a pandemia de covid-19

Números batem recorde no Estado e governo paulista prepara medidas adicionais para frear a circulação …