quarta-feira , fevereiro 24 2021

MPPI apura falta de fisioterapeutas em UTIs de hospitais privados em Teresina

A 31ª Promotoria de Justiça de Teresina, especializada na defesa dos direitos do consumidor, instaurou inquérito civil público para apurar a falta de fisioterapeutas em hospitais privados que dispõem de unidade de terapia intensiva (UTI). De acordo com a Lei Estadual nº 7.235/2019, é obrigatória a permanência de profissional de fisioterapia nas UTIs de nível adulto, neonatal e pediátrico. É necessário, ainda, que o fisioterapeuta atuante nas UTIs seja especialista em fisioterapia intensiva.

 

Já a Resolução RDC nº 07/2010, do Ministério da Saúde/ANVISA, determina que uma UTI deve contar com equipe multiprofissional legalmente habilitada, dimensionada de acordo com o perfil assistencial, contendo pelo menos um fisioterapeuta para cada dez leitos ou fração.

 

“O Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional da Décima Quarta Região – CREFFITO 14 – encaminhou manifestação para o Ministério Público, solicitando providências junto aos hospitais particulares situados em Teresina, a fim de viabilizar o cumprimento das normas aplicáveis”, relata a promotora de Justiça Gladys Martins.

 

A apuração ministerial será realizada junto aos hospitais São Marcos, São Paulo, ITACOR, Prontomed Adulto, Santa Maria, HTI Sul, Unimed e Rio Poty, excetuando-se a clínica Santa Fé porque outra Promotoria de Justiça já moveu ação judicial, com mesmo objeto, em relação aos leitos de UTI no estabelecimento.

Ascom

Veja Também

Bebida alcóolica deve ser evitada antes e depois da vacina contra covid

O consumo de bebidas alcoólicas antes e depois de tomar a vacina contra a covid-19 deve ser …