segunda-feira , outubro 19 2020

Empresa que simplifica a faxina entra em novo mercado

A Positiv.a lançou uma linha de autocuidado, com itens como xampu sólido, escovas de dente de bambu e desodorantes, com ingredientes orgânicos e veganos

Limpeza de casa simples, com poucos ingredientes e produtos naturais, orgânicos e veganos. É assim que a Positiv.a acredita a faxina deve ser. A empresa trabalha, há quatro anos, com produtos de limpeza multiuso, para reduzir a quantidade de itens necessários, e com fórmulas concentradas, para reduzir o uso de embalagens.

Agora, a companhia decidiu entrar em um novo mercado, maior e muito mais concorrido. A Positiv.a acaba de lançar sua linha de autocuidado, com itens como xampu sólido, escovas de dente de bambu e desodorantes. “Desde o início, os sócios sempre tiveram a intenção de ser uma empresa que ia além dos produtos de limpeza, para ser uma empresa de cuidados”, diz Leandro Menezes, co-presidente da companhia.

A escolha de começar a atuar no segmento de produtos de limpeza era pela facilidade de promover mudança pela simplificação. Afinal, é só olhar para os corredores de limpeza de um supermercado: há frascos para limpar o chão, fogão, banheiro, janelas, piso de madeira, de porcelanato e muitas outras opções. “Havia uma urgência maior de entrar no segmento de limpeza e poucos concorrentes, porque ninguém estava criando produtos naturais”, diz o executivo.

Foi nesse mercado que a companhia alcançou faturamento de 5 milhões de reais em 2019, presente em 200 mercados, de redes pequenas a unidades do St. Marche, além de seu site. Agora, o desafio é entrar no segmento de beleza, um mercado mais concorrido, mas também muito maior. Para desenvolver esse novo segmento, a empresa contratou uma líder de inovação, Gicele Brandão, que passou por empresas como Marisa, Contém 1g e Natura.

Segundo ela, o desenvolvimento da linha de higiene passa pelos mesmos princípios da de limpeza: entender o que é essencial para o cuidado e buscar ingredientes naturais que ofereçam esse benefício. “O repertório é maior, mas a essência é entregar uma necessaire básica, sem ostentação”, diz Brandão. O hidratante corporal, por exemplo, é feito de óleo de amêndoas. O desodorante contém óleos essenciais de lavanda e de melaleuca, com propriedades bactericidas e antifúngicas contra o mau odor.

A criação dos produtos também passa pelo desenvolvimento das embalagens,maior parte feita em vidro e papelão, para reduzir o uso de plástico, um material pouco reciclado pela indústria e grande vilão da poluição dos oceanos. Até o desodorante vem em uma embalagem de papel impermeabilizado com cera vegetal para se tornar totalmente compostável.

A sustentabilidade permeia ainda a escolha dos mais de 40 fornecedores, normalmente grupos de agricultura familiar e agroflorestal. A saboneteira de bambu, por exemplo, é feita com matéria-prima do interior de São Paulo e a escova de dente, também de bambu, vem de fabricantes do Centro-Oeste.

Além de permitir a entrada em um mercado maior, a linha de produtos de autocuidado e higiene também faz com que a empresa tenha um contato maior com os clientes, em mais momentos do dia. Com isso, o faturamento pode dobrar. “Acreditamos que a linha de autocuidado pode ser nosso carro-chefe, o que é importante para que o princípio de consumo consciente fique mais forte”, diz Menezes.

 

Exame

Veja Também

Mais de 9,7 milhões de trabalhadores já tiveram jornada reduzida ou contrato suspenso

Governo prorrogou até 31 de dezembro o prazo de acordos para preservar empregos dos funcionários. …