Conselhos de saúde e MP encontram irregularidades em vistoria ao HUT

Representantes do Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional do Piauí (Crefito 14), Ministério Público do Piauí (MP-PI), Conselho Regional de Enfermagem (Coren) e Conselho Regional de Medicina (CRM-PI) realizaram vistoria no Hospital de Urgência de Teresina (HUT).

Foram visitadas Unidades de Terapia Intensiva (UTI), setor de Farmácia, Enfermaria-Clínica Ortopédica, setor de esterilização e setor de queimados. No que diz respeito ao cumprimento das normas de Fisioterapia, foram encontradas irregularidades na pediatria, setor de queimados e enfermaria.

“Nós constatamos diversas irregularidades no que diz respeito ao serviço de Fisioterapia e Terapia Ocupacional do HUT. Um hospital de grande porte e alta complexidade como este, não pode negligenciar a qualidade do atendimento, lesando tanto pacientes quanto profissionais. Portanto, junto ao Ministério Público e demais Conselhos, iremos reivindicar e cobrar as adequações do hospital aos níveis ideais de atendimento”, diz o presidente do Crefito 14, Marcelino Martins.

Na UTI pediátrica foi verificado que os aparelhos de ventilação mecânica não passam por manutenção há mais de um ano. Já na emergência e na clínica pediátrica, foi constatada a ausência de profissionais fisioterapeutas no período noturno e fim de semana, o que acarreta no deslocamento impróprio do profissional da UTI para atendimento nesses dois setores, em caso de intercorrência.

No setor de queimados, o Crefito verificou que existe apenas um fisioterapeuta, que atua em turnos revezados, prejudicando, assim, a continuidade no atendimento do paciente. Também faltam alguns aparelhos utilizados no tratamento fisioterapêutico, especialmente respiratórios.

Já no setor de enfermaria, onde funciona a Clínica Ortopédica, com 52 leitos de pacientes com fratura exposta, não havia nenhum profissional de Fisioterapia. “Este é um serviço essencial para a evolução da melhora no quadro do paciente, primordialmente com relação à reabilitação de movimentos”, explica Marcelino Martins.

Quanto à Terapia Ocupacional, foi averiguada a presença de apenas uma profissional, que devido às várias demandas em todo o hospital, precisa se deslocar continuamente para diferentes setores, o que compromete integralmente a qualidade do serviço oferecido aos pacientes.

Fonte: Ascom

Veja Também

Ainda sem entender? Veja o que se sabe sobre a atitude da Anvisa de parar Brasil x Argentina

A tarde do último domingo (5) deveria ter sido marcada por um clássico do futebol …