segunda-feira , janeiro 25 2021

Comércio eletrônico brasileiro tem nota ‘abaixo do aceitável’

A qualidade do comércio eletrônico brasileiro é insuficiente, com nota de 40,1 numa escala de 0 a 100, segundo o Índice de Qualidade do E-commerce (EQI, na sigla em inglês), divulgado pela Lett, startup de tecnologia especializada em “trade marketing” digital, com apoio da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm).

Para a edição 2019 do EQI, foram analisadas cerca de 5,5 milhões de páginas de produtos em 118 sites de comércio eletrônico no Brasil, Estados Unidos e América Latina. No Brasil, foram 78 sites, o que representa 70% do faturamento do comércio eletrônico nacional, segundo a Lett.

De acordo com o relatório, a nota do Brasil no EQI 2019 sugere que faltam informações nas páginas de produtos nos sites de comércio eletrônico, que há dificuldades em integrar a experiência de compras on-line e off-line e que o processo de cadastro de produtos é ineficiente. Esses seriam os desafios do comércio eletrônico brasileiro, segundo o relatório da Lett.

Ainda conforme a consultoria de marketing, “apenas 4,3% dos produtos analisados possuem uma qualidade ‘aceitável’”. “A maioria esmagadora dos produtos no Brasil (83,4%) possui notas entre 30 e 50. Nos EUA, a realidade é bem diferente: 44,2% possuem EQI acima de 60”, diz o relatório.

Com informações do Estadão

Veja Também

Daniel Wakswaser, novo VP de marketing da Ambev, busca impacto social

Daniel Wakswaser entrou na Ambev como trainee e assume em outubro a vice-presidência de marketing …