NOTA À IMPRENSA

Perplexa e absolutamente surpreendida pela irrefletida afirmação veiculada
por portal de notícias local, a defesa técnica da Desembargadora Maria da
Graça Osório Pimentel Leal vem, perante os veículos de imprensa
verdadeiramente sérios, desmentir a arrebatada e absorta afirmação lançada
e registrar que, ao revés do que fora divulgado, nunca se cogitou – e nunca
se cogitaria – a possibilidade de que, no âmbito da denominada Operação
Faroeste, fosse firmada uma delação premiada ou celebrado qualquer espécie
de acordo com o Ministério Público Federal.
Não houve, não há e nem haverá delação premiada neste caso.
A Desembargadora Maria da Graça Osório Pimentel Leal não fez e nem fará
qualquer acordo de delação premiada, haja vista que não cometeu crime
algum, não havendo, assim, absolutamente nada a delatar.
A defesa optou por desistir das testemunhas considerando a fragilidade da
acusação, considerando que não foram reunidas provas pela acusação,
considerando que a demora do processo já é uma pena para uma ré inocente.
Não há, nem da desembargadora nem de seus defensores, qualquer contato
para realizar a delação premiada, notícia despudoradamente propalada sem
um soslaio de verdade.
Pesa dizer, ao fim, que mais uma vez, um mesmo site, movido sabe-se lá por
quais motivos reais, tenha o despautério de divulgar uma mentira dessa
magnitude, sem ao menos se desincumbir do dever jornalístico de consultar
as pessoas mencionadas.

Salvador/BA, 10 de junho de 2021.

GAMIL FÖPPEL GISELA BORGES YURI RANGEL
OAB/BA 17.828 OAB/BA 27.221 OAB/BA 61.926

 

Ascom

Veja Também

TSE indefere candidatura de prefeita que manipulou a Justiça para ser diplomada

O Tribunal Superior Eleitoral deu fim, na noite de segunda-feira (3/8), ao trajeto judicial percorrido …