Crivella diz que vai manter reabertura gradual no Rio

Decisão do prefeito da capital fluminense vai na contramão do decreto de Wilson Witzel, que liberou o funcionamento de restaurantes e shoppings

O prefeito do Rio de Janeiro (RJ), Marcelo Crivella, disse neste domingo (7) que vai manter o plano de reabertura “gradual e cautelosa” da economia da cidade em seis etapas, previsto em decreto assinado na última terça-feira (2).

“Por unanimidade, o nosso Comitê Científico decidiu manter o planejamento já adotado. As recomendações do Governo do Estado serão atendidas pela ordem e parâmetros já definidos pela nossa equipe”, afirmou Crivella.

“Se tudo correr bem, se tiver higiene, uso de máscara, sem aglomeração, com certeza em agosto estaremos em um novo normal com a vida toda aberta na cidade”, completou o prefeito.

A decisão de Crivella surge um dia após o governador do Estado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, flexibilizar o isolamento e autorizar o retorno de várias atividades.

De acordo com o decreto assinado por Witzel, bares, restaurantes, shoppings centers e centros comerciais estão liberados para funcionar desde que respeitem o protocolo, como operar com 50% da capacidade, garantir fornecimento de álcool em gel 70% e obrigar o uso de máscaras por parte de funcionários e clientes.

O plano da prefeitura, por sua vez, estabelece seis fases para a reabertura. Neste primeiro momento, está liberado o funcionamento de concessionárias, lojas de móveis e decoração, atividades físicas ao ar livre, atividades aquáticas individuais no mar e atividades religiosas.

O superintendente de Vigilância, Fiscalização Sanitária e Controle de Zoonoses do município do Rio de Janeiro, Flávio Graça, disse que o plano estabelecido é responsável e cauteloso. “Nossos indicadores são sensíveis, quando abrimos uma fase, devemos aguardar alguns dias para ter uma visão panorâmica e saber o quanto a Saúde está suportando”, explicou ele.

A secretária de saúde do Rio de Janeiro, Bia Busch, informou sobre a taxa de leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) ocupados no município é de 87%. “É isso que nos dá, neste momento, a possibilidade de continuar esse planejamento”, disse Bia.

 

R7

Veja Também

TJ-PI concede liminar que confirma a ilegalidade da greve dos enfermeiros em Teresina

A assessoria jurídica da Fundação Municipal de Saúde de Teresina (FMS) conseguiu junto ao Tribunal de …