terça-feira , outubro 20 2020

Consumidores prejudicados pela empresa Chez Gaby lutam por seus direitos

A promotora de Justiça Micheline Serejo, que responde pela 53° Promotoria de Justiça de Teresina, realizou uma reunião com vítimas do golpe aplicado pela proprietária da loja virtual Chez Gaby. Segundo relatos dos consumidores vitimados, a soma dos prejuízos pode ser superior a R$ 300 mil. A proprietária do negócio comercializava produtos importados, entre eles bolsas de grife, celulares, eletrônicos, roupas e outros, principalmente advindos dos Estados Unidos (EUA).

Advogados representando a empresária procuraram o Ministério Público para celebração de um acordo, com a intenção de ressarcir as pessoas que não receberam suas mercadorias.

Os consumidores presentes à reunião relataram que no início a empresária até entregava as mercadorias encomendadas. No entanto, após um tempo, a proprietária da Chez Gaby passou a não entregar mais os produtos. Os clientes explicaram que tentaram entrar em contato com os pais da empresária, já que ela já estaria morando fora do país.

A promotora pediu para que as pessoas que compraram mercadorias pela Chez Gaby, não receberam e fizeram o registro, por meio de boletim de ocorrência, procurem o Ministério Público para que a instituição tome conhecimento do número de pessoas vitimadas.

Na próxima quinta-feira, 26 de abril, será realizada uma nova reunião com objetivo de mensurar o valor total dos prejuízos.

Veja Também

Banco Popular adota medidas de apoio aos microempreendedores frente à pandemia

O Banco Popular de Teresina (BP) está adotando medidas de apoio aos pequenos empreendedores que …