sexta-feira , dezembro 3 2021

Brasil vive crise ética e moral

A afirmação veio do presidente do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, Cláudio Lamachia, durante discurso no Congresso de Direito Eleitoral da OAB Maranhão.

 

Em sua quinta ida ao Maranhão, Lamachia apresentou ao público uma breve leitura do cenário eleitoral, político e jurídico no Brasil, momento que, segundo ele, o país enfrenta uma crise de característica ética e moral. “Eu, como presidente nacional da OAB, nunca pensei que fosse acompanhar esta crise que se passa. Muitos dizem que é uma crise econômica, outros, política, mas eu tenho afirmado que a crise que nós temos é uma crise ética e moral, sem precedentes”, pontuou.

Contextualizando com o período pré-eleitoral, Lamachia fez uma observação de quando assumiu a presidência da Ordem e enfatizou quatro ações diretas em que a OAB atuou em prol de uma política democrática e limpa, a partir do momento em que ele assumiu o CFOAB. Em seu discurso, o advogado destacou a intermediação da OAB na aprovação da “Lei da Ficha Limpa”, na “Lei Contra a Compra de Votos”, na ação que solicitou o afastamento do então presidente da Câmara Federal, Eduardo Cunha, e na requisição de inconstitucionalidade do financiamento de empresas privadas a partidos e candidatos no Brasil.

Em meio a toda essa ruptura ética e moral na política, o presidente do CFOAB destacou o fundamental papel da OAB, como uma instituição fiscalizadora social que tem como preceito a defesa da Constituição, da Ordem Jurídica, do Estado Democrático de Direito, dos Direitos Humanos, da Justiça Social, além de pugnar pela boa aplicação das leis, pela rápida administração da Justiça e pelo aperfeiçoamento da cultura e das instituições jurídicas.

O presidente do Conselho Federal da OAB disse que a instituição sempre vem agindo com clareza e independência, de forma absolutamente apartidária. “Aliás, eu venho afirmar que o partido da OAB é o Brasil. A nossa ideologia é a Constituição Federal. Este é o compromisso de todos nós dirigentes da Ordem. As paixões políticas e ideológicas têm que funcionar lá fora e não aqui dentro. O nosso país precisa de uma grande transformação, precisamos depurar a política no Brasil”, enfatizou.

No que se refere ao papel da classe da advocacia no período eleitoral, o presidente disse que os advogados fazem parte do processo de transformação social, por se tratar de um agente jurídico e capacitado. “E por ser esse agente de transformação, ele tem uma responsabilidade muito grande: ter que buscar conscientizar o cidadão da importância do voto consciente. Nessa linha, a OAB lançará nos próximos dias, uma campanha nacional buscando a conscientização do poder do voto”, adiantou.

“Essa é a hora de aproveitarmos a eleição e termos consciência do poder do voto. O Brasil está hoje verdadeiramente indignado com tudo isso que estamos assistindo e nós temos uma chance, que é o processo eleitoral. Compete a cada cidadão brasileiro nesse momento examinar em quem votar, como votar e por que votar”, disse.

Fonte: OAB/MA

 

Veja Também

Pfizer facilita acesso mundial ao medicamento oral contra Covid

Acordo de laboratório com ONG ligada à ONU facilita produção do remédio em 95 países, …