sexta-feira , dezembro 4 2020

Advogado e empresários tietam Bretas em passagem por São Paulo

Publicado originalmente no Consultor Jurídico.

O advogado Nelson Wilians ofereceu um almoço ao juiz federal Marcelo Bretas, que esteve em São Paulo, sexta-feira (9/10) para ser homenageado por um instituto chamado “Alma Premium Brasil“. A agremiação tem entre seus patrocinadores um empresário que já foi alvo de mandado de prisão emitido pelo próprio Bretas, o dono do Esch Café — tradicional ponto de encontro de charuteiros.

Participaram do convescote o apresentador da Band, Beetto Saad; Gustavo Ramos, presidente do Alma Premium no Rio de Janeiro; o empresário Caio Siracusa; o pecuarista Pedro Merola; o pai do jogador de futebol Neymar; William Barrington; e Fernando Cavalcanti, advogado do escritório de Nelson Willians.

Bretas participou, na sexta-feira (9/10) de um evento da plataforma de conteúdo que promove “conhecimento & networking & business”, no qual reclamou da perseguição que sofre por comparecer a eventos públicos. Um dos patrocinadores da entidade é a charutaria Esch Café, cujo dono, Carlos Felipe da Costa Almeida de Paiva Nascimento, foi alvo de um mandado de prisão preventiva do juiz em 2018. O empresário está foragido e vive em Portugal.

Alma Premium promove encontros com o objetivo de estreitar laços entre empresários. A plataforma tem um lounge privado no Esch Café.

Bretas recebeu a denúncia e ordenou a prisão preventiva de Nascimento. O Ministério Público Federal o acusou de coordenar um esquema de corrupção na Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) do Rio. De acordo com o MPF, Nascimento, por meio de laranjas, comandava a Iniciativa Primus, uma empresa que fornecia pães às prisões fluminenses.

O empresário, conforme a acusação, pagava propina a funcionários da Seap. Em troca, eles fraudaram uma licitação para que só a Iniciativa Prime cumprisse os requisitos exigidos. A companhia ganhou o contrato e passou a cobrar preços superfaturados ao governo do Rio.

Segundo o MPF, a Seap pagou à Iniciativa Primus cerca de R$ 73 milhões entre agosto de 2010 e dezembro de 2015. Desse total, aproximadamente R$ 44,7 milhões foram desviados por meio de pagamentos feitos à empresa sem a correspondente aquisição de produtos.

Em um desdobramento da operação, o advogado do empresário impetrou Habeas Corpus pedindo a Bretas para substituir a prisão por medidas cautelares. Com a negativa do pedido, o caso foi levado ao Tribunal Regional da 2ª Região, alegando que a ordem de prisão era baseada exclusivamente em declaração de delator, sem que que tenha havido individualização da conduta. Além disso, o advogado reclama da falta de contemporaneidade dos supostos crimes.

Em junho deste ano, o HC foi negado pelo desembargador Abel Gomes, do TRF-2. O magistrado considerou que “há indícios de envolvimento do empresário no esquema de lavagem de dinheiro, não sendo o primeiro decreto prisional expedido contra ele”.

O relator também considerou que Nascimento parece ter “pleno conhecimento de que é procurado pela justiça brasileira, optando, em tese, por permanecer em Portugal”. Afastou assim o argumento da defesa de que o empresário mora em Portugal desde muito antes da ordem de prisão.

Veja Também

Toffoli manda PF ouvir ministro por fala sobre homossexuais

STF apura possível crime de homofobia em entrevista na que Milton Ribeiro relaciona homossexualidade a …