Witzel chama Flávio Bolsonaro de ‘mimado’ em discussão na CPI

Ex-governador do RJ também citou controvérsia com ex-ministro Moro, que segundo Witzel teria agido como ‘menino de recado’

O ex-governador do Rio de Janeiro Wilson Witzel discutiu nesta quarta-feira (16), na CPI da Covid, com o senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ) e o chamou de “mimado”. O filho do presidente da República também foi alvo do relator da comissão, o senador Renan Calheiros (MDB-AL), que afirmou: “Seu pai parece que não lhe deu educação”.

O embate começou após o ex-governador afirmar de forma reiterada que havia perdido o cargo por perseguição política. Ele foi questionado por Flávio Bolsonaro, que apontou decisões do STJ (Superior Tribunal de Justiça) contra a interrupção do processo de impeachment de Witzel. 

Flávio fez sua argumentação ainda na vez de Renan Calheiros quesitonar Witzel, provocando a reação do relator. Flávio Bolsonaro rebateu, dizendo que sua educação era diferente da de Renan, “graças a Deus”.

Em seguida, o ex-governador afirmou que não tinha problema em participar de uma sessão com Flávio Bolsonaro e que não tinha nenhuma questão pessoal, mas sim objetivo “institucional em defesa da democracia”. Ao ouvir o senador ironizar a fala, afirmando “que lindo discurso”, Witzel rebateu. “Se o senhor fosse um pouquinho mais educado e menos mimado, o senhor teria respeito pelo que eu vou falar”, disse.

No decorrer da sessão, Flávio Bolsonaro voltou a criticar Witzel. Ele lembrou as acusações de corrupção e crime de responsabilidade envolvendo contratações da Secretaria da Saúde na pandemia. Lembrou ainda que o TEM (Tribunal Especial Misto) aprovou o impeachment por unanimidade. com 10 votos.

Botão para controlar o volume da publicidade

“Isso não é corrupção, isso é assassinato. Tem a mão suja de sangue, entre os quase 500 mil mortos. Esse sim é o culpado”, disse.

Moro

O ex-governador também fez críticas ao ex-juiz e ex-ministro da Justiça Sergio Moro. Ele afirmou que começou a ser boicotado por ministros do governo federal em razão de críticas realizadas. O ministro da Economia, Paulo Guedes, teria evitado conversar com ele em um encontro em um avião.

Outra crítica de Witzel se deu em relação a Moro. Ele afirma que o então ministro evitou registrar um encontro com imagens e na agenda e ainda requisitou o retorno de cinco delegados federais que estavam trabalhando no Rio de Janeiro. Um deles auxiliava o governo do Rio investigando crimes de gestões passadas em trabalho que ajudaria o estado a buscar recursos desviados.

Witzel disse que falou a Moro que ele estava em um caminho “equivocado”. “Se você quer ser ministro do Supremo, tem que convencer os senadores que você é capaz de ser um juiz imparcial. Essa coisa de menino de recado não é algo que se espera de você, que como eu, é magistrado com 20 anos de carreira”, disse, citando trechos da conversa.

Depoimento

No início do depoimento, Witzel disse que os governadores ficaram “desemparados” pelo governo federal e a “mercê da desgraça” no combate à pandemia de covid-19. Ele afirmou ainda que o governo criou uma narrativa para deixar os governadores fragilizados em razão das medidas de isolamento social que foram tomadas, para que fossem culpados pelas perdas que ocorreriam na economia.

R7

Veja Também

Compradoras que desistiram de imóvel receberão 50% dos valores pagos

Juiz aplicou a lei dos distratos e estabeleceu que a restituição dos valores ocorra apenas …