TVs e celulares mais caros em 2018

Com Copa do Mundo e perspectivas otimistas para a economia do País, o faturamento do mercado de bens duráveis deve ter alta de 7% em 2018, voltando a atingir o patamar de 2014. O aumento do preço médio dos aparelhos celulares e a venda de televisores devem ajudar a sustentar a alta.

Mesmo com preços mais caros, a perspectiva é de que esses produtos tenham vendas interessantes. Segundo estudo da empresa Gfk,  a projeção é de aumento de 22% no faturamento do produto, sendo 8 pontos percentuais (p.p) vinculados à Copa. A projeção é que tanto o número de unidades como o a média de preço apresentem crescimento no período que antecede o evento esportivo.

Outra tendência para o ano, de acordo com a executiva Gisela Pougy, é o crescimento da receita de telefonia. “Pode não crescer tanto em unidade, mas em faturamento vai”, disse.

A tendência é que a procura por itens com maior valor agregado siga aumentando. Como exemplo, Gisela cita a maior participação dos smartphones com preços superiores a R$ 1,1 mil, que saíram de patamares de 21% e 26 %, em 2014 e 2015, respectivamente, para 43% e 41% em 2016 e 2017. “Telefonia e TV são os produtos mais importantes de bens duráveis. Só explicando a tendência para esses dois itens justifica o crescimento previsto de 7%”, destacou.

Fonte: Portal New Trade

Veja Também

Daniel Wakswaser, novo VP de marketing da Ambev, busca impacto social

Daniel Wakswaser entrou na Ambev como trainee e assume em outubro a vice-presidência de marketing …