RJ - RÉVEILLON/FOGOS/COPACABANA - GERAL - Milhões de pessoas acompanharam a queima de fogos da festa de Réveillon na praia de Copacabana, na Zona Sul do Rio de Janeiro. O espetáculo de 16 minutos marcou o início de 2016, o ano olímpico, e homenageou os 100 anos do samba. 01/01/2016 - Foto: ADRIANO SILVA/ESTADÃO CONTEÚDO

Rio cancela festa de réveillon em Copacabana devido à pandemia

Segundo a Riotur, modelo tradicional do evento, que reúne cerca de 3 milhões de pessoas, não é viável neste cenário sem a existência de uma vacina

A prefeitura do Rio de Janeiro decidiu cancelar a tradicional festa de réveillon em Copacabana, que anualmente reúne cerca de 3 milhões de pessoas na orla da cidade, por conta da epidemia de covid-19.

“Com relação ao réveillon, esse modelo tradicional que conhecemos e que praticamos na cidade há anos, assim como o carnaval, não é viável neste cenário de pandemia, sem a existência de uma vacina” , informou a Riotur , empresa de turismo do Rio de Janeiro.

Além da grande aglomeração em Copacabana, milhares de pessoas de todo o Brasil e de outros países se deslocam para a festa na orla usando transporte público, uma vez que o acesso de veículos particulares é proibido.

A prefeitura estuda alternativas para a festa, uma das mais tradicionais do país, que tem como ponto alto o show de fogos de artifício.

Uma das alternativas estudadas é uma exibição voltada apenas para transmissões ao vivo para TV , internet e streaming.

Outra possibilidade seria uma diluição da festa, com apresentações em dezenas de pontos pela cidade para diminuir a presença de pessoas.

“O réveillon não é um evento rígido e ele pode acontecer de diversas formas que não apenas reunindo 3 milhões de pessoas na Praia de Copacabana”, acrescentou a Riotur.

Nos próximos dias, a Riotur apresentará ao prefeito Marcelo Crivella diferentes formatos possíveis para o evento da virada sem presença direta de público.

Segundo a agência de turismo, “em um modelo virtual, onde poderemos atingir o público pela TV e pelas plataformas digitais, preservando prioritariamente a segurança das pessoas e considerando também uma atmosfera de reflexão e esperança diante de tantas perdas sofridas.”

Esta semana, a prefeitura de São Paulo também anunciou o cancelamento do réveillon na avenida Paulista, que costuma reunir 1 milhão de pessoas.

Da mesma forma, a parada LGBT e a Marcha para Jesus, que já haviam sido transferidas de junho para novembro, devem ser adiadas mais uma vez. E o Carnaval também deve ser adiado.

No Rio, o Carnaval de 2021 também está ameaçado. Discussões sobre o desfile na Marquês de Sapucaí já começaram e uma decisão será tomada em setembro . A tendência é de adiamento da festa, que costuma acontecer em fevereiro.

“Como resultado dessas tratativas, a Riotur atendeu ao pedido da Liesa e não abriu a venda de ingressos para o setor turístico do Sambódromo. Agora, a Riotur aguarda, conforme solicitado formalmente pelo presidente da entidade, a próxima assembleia da Liga Independente das Escolas de Samba, que definirá o rumo dos desfiles e comunicará à Prefeitura do Rio”, disse a Riotur.

O carnaval de rua, que também reúne milhões de pessoas e turistas na cidade também segue em discussão com autoridades da prefeitura.

Veja Também

Decreto que considera atividades religiosas essenciais entra em vigor

Governo reforça que templos devem seguir medidas sanitárias como ocupação limitada, distanciamento social e uso …