quarta-feira , outubro 21 2020

Quase 50 mil crianças serão vacinadas na campanha contra Poliomielite e Sarampo

Em Teresina, 104 salas de vacinas estarão imunizando todas as crianças entre um ano de idade até menores de cinco anos (quatro anos 11 meses e 29 dias), correspondendo a 49.330 meninos e meninas.

O objetivo da campanha é aumentar a cobertura vacinal nesta faixa etária, que já têm as vacinas contra poliomielite e contra o sarampo inclusas em seu calendário de rotina, o que reduz a transmissão destas doenças para toda a população. A campanha segue até o dia 31 de agosto, com dia D de mobilização em Teresina no dia 25 deste mês. Todas as crianças dentro da faixa etária devem se vacinar.

A vacina contra o sarampo que será usada na campanha será a tríplice viral – que também protege contra caxumba e rubéola – em todas as crianças do público alvo que não tenham tomado uma dose há menos de 30 dias. Já contra a poliomielite será administrada a vacina oral poliomielite (VOP) em crianças que já tenham recebido uma ou mais doses, ou a vacina inativada poliomielite (VIP), nas crianças que receberão pela primeira vez.

No ato da vacinação, é preciso apresentar a caderneta de vacinação da criança e seu cartão SUS. O cartão pode ser feito na unidade de saúde mediante a apresentação da certidão de nascimento, CPF e comprovante de residência dos responsáveis.

“O último caso de poliomielite foi registrado no Brasil em 1989, e o último caso de Sarampo em Teresina foi confirmado em 2011, com uma pessoa que adquiriu a doença na França. Casos autóctones, ou seja, originados em Teresina, não são confirmados há 17 anos. No entanto, os vírus continuam circulando no mundo, com o risco de serem reintroduzidos por meio de viajantes e imigrantes”, esclarece Amariles Borba, diretora de vigilância em Saúde da FMS. Desde fevereiro de 2018, o Brasil enfrenta a circulação do vírus do sarampo (genótipo D8, circulante na Venezuela desde 2017), nos estados de Roraima e Amazonas.

Doenças

O Sarampo é uma doença infecciosa exantemática aguda, transmissível e extremamente contagiosa, podendo evoluir com complicações e óbito, particularmente em crianças desnutridas e menores de um ano de idade.  A transmissão ocorre de pessoa a pessoa, por meio de secreções respiratórias, no período de quatro a seis dias antes do aparecimento do exantema até quatro dias após.

Já a poliomielite é uma doença infectocontagiosa viral aguda, caracterizada por um quadro de paralisia flácida, de início súbito. Acomete em geral os membros inferiores, de forma assimétrica, tendo como principais características a flacidez muscular, com sensibilidade preservada, e a arreflexia no segmento atingido.

A transmissão ocorre por contato direto pessoa a pessoa, pela via fecal-oral (mais frequentemente), por objetos, alimentos e água contaminados com fezes de doentes ou portadores, ou pela via oral-oral, através de gotículas de secreções da orofaringe (ao falar, tossir ou espirrar). A falta de saneamento, as más condições habitacionais e a higiene pessoal precária constituem fatores que favorecem a transmissão do poliovírus.

Fonte: Ascom

Veja Também

Uso desenfreado de antibióticos na pandemia pode levar a ‘apagão’ contra bactérias resistentes

Mesmo sem eficácia ou necessidade comprovada para a covid-19, antibióticos foram amplamente usados contra o …