sexta-feira , dezembro 3 2021

Justiça autoriza idoso a tomar 3ª dose de vacina contra a covid-19

De acordo com a Justiça de Guaxupé (MG), as duas doses da vacina Coronavac não teriam garantido a imunização adequada

A Comarca de Justiça de Guaxupé, a 330 km de Belo Horizonte, determinou que a prefeitura do município aplique uma terceira dose de vacina contra a covid-19 em um idoso de 75 anos, que já recebeu duas doses da Coronavac.

O homem, que é hipertenso e cardiopata, recebeu a primeira dose da vacina no dia 27 de março e, a segunda, no dia 19 de abril, em um posto de saúde de Guaxupé. Quarenta dias depois, ele teria feito um exame para verificar a presença de anticorpos contra a covid-19. À Justiça, ele anexou o resultado do exame, que teria indicado a presença de anticorpos IgG inferior a 20%.

Com o documento em mãos, o idoso procurou um consultório médico e obteve um pedido para que pudesse ser imunizado com uma terceira dose de outra vacina – exceto a Coronavac e a AstraZeneca, devido ao risco de “trombose” nesse último caso, como destacou o profissional de saúde. O idoso entrou em contato com a secretaria municipal de saúde para poder receber a terceira dose, mas não obteve retorno. Com isso, entrou com uma ação na Justiça, contra a Prefeitura de Guaxupé.

De acordo com a Justiça, o município “não pode negar a reaplicação da vacina em favor do Requerente ou de qualquer outro munícipe que não foram devidamente imunizados” sob pena de ferir o direito constitucional à saúde e à vida.

A decisão da Justiça, portanto, determina que a prefeitura inclua o nome do autor na lista de vacinação para pessoas com comorbidade, promovendo a sua imunização com a vacina disponível a exceção do Coronavac e AstraZeneca. Caso a decisão não seja cumprida, o prefeito será multado em R$ 1 mil por dia.

R7

Veja Também

Luciana Gimenez briga na Justiça por herança de R$ 2,5 milhões deixada por seu pai

Luciana Gimenez enfrenta um enorme pesadelo financeiro por conta da herança deixada por seu pai, …