quinta-feira , janeiro 20 2022

Globo vende sede de São Paulo por R$ 522 milhões

Na última sexta-feira (17/12) a Globo vendeu o seu complexo de produção, localizado na zona sul de São Paulo, ao fundo imobiliário Vinci Offices por R$ 522 milhões de reais. Para permanecer no local a emissora pagará cerca de R$3,3 milhões por mês a Vinci Offices pelos próximos 15 anos.

A sede da Globo em São Paulo está localizada às margens do Rio Pinheiros, na Avenida das Nações Unidas (Marginal Pinheiros), e tem 56.000 m² de área construída. O terreno tem cerca de 43.000 m² e abriga o prédio principal, Edifício Jornalista Roberto Marinho, três módulos de produção, 2 heliportos e cerca de 1.500 vagas de estacionamento. Aproximadamente 1.300 pessoas trabalham no espaço.

Funcionam no prédio os estúdios dos programas regionais da emissora, dos telejornais Jornal Hoje, Jornal da Globo e o programa de auditório Altas Horas.

A emissora carioca receberá o valor de R$522 milhões de reais e pagará mensalmente R$84,67 por metrô quadrado, corrigido anualmente pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo). Esta operação, na qual o a empresa vende o imóvel e se torna locatário do mesmo, chama-se sale & leaseback.

Em resposta a Folha de São Paulo, a Globo justifica a decisão. “A Globo vem buscando ampliar a sua eficiência através da captação de novas fontes de receita, da racionalização na gestão de custos e da ampliação da sinergia entre suas operações”, afirmou a emissora.

O fundo imobiliário Vinci Offices disse por meio de nota o interesse sobre o negócio, “a transação adiciona ao portfólio do VINO11 mais um ativo de qualidade, aumentando a exposição do fundo à São Paulo, maior mercado de escritórios do país, com contrato de locação atípico de 15 anos e um locatário de primeira linha pertencente a um forte grupo econômico, com excelente risco de crédito”.

Com informações de Poder 360, Folha de São Paulo e Infomoney

Veja Também

Após surtos de Covid, empresas suspendem cruzeiros até o dia 21

Associação diz que decisão é voluntária. Anvisa já havia pedido a suspensão das viagens de …