quarta-feira , janeiro 20 2021
Escritorio da Cateno Foto: Germano Lüders 19/08/2019

Dívidas: as 20 empresas em situação mais confortável. E as 20 com a corda no pescoço

O endividamento das empresas brasileiras atingiu nível recorde no ano passado. Confira os rankings das empresas com maior e menor grau de endividamento entre as 500 principais companhias do país.

As dívidas das maiores empresas do Brasil tiveram um grande salto em 2019, de acordo com o levantamento de MELHORES E MAIORES. Considerando o conjunto das 500 maiores empresas por faturamento, o total das dívidas fechou em 855,4 bilhões de dólares em 2019, um aumento de 21% em relação ao ano anterior. Foi o maior montante de dívida em toda a década – em 2011, o total das dívidas das 500 maiores empresas do país não chegava a 500 bilhões de dólares.

Os quadros abaixo mostram quais são as empresas com maior e menor grau de endividamento, considerando a relação entre o exigível e o ativo total, expresso em percentual. Entre as 500 maiores empresas do país analisadas, a Cateno, empresa de soluções de meio de pagamento, é a que está em situação mais tranquila nesse aspecto, com 4,5% de endividamento. Outras companhias bem posicionadas nesse quesito são o Metrô de São Paulo (7,5%) e a fabricante de calçados Grendene (7,5%).

As 20 empresas menos endividadas do Brasil

No outro extremo, a empresa com maior grau de endividamento entre as 500 companhias analisadas é a Fundação do ABC, com 338,3%. Essa instituição é administrada pelas prefeituras de Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano no Sul, no ABC paulista, e mantém convênios de prestação de serviços de saúde a várias organizações da região metropolitana de São Paulo. Outras empresas com alto grau de endividamento são a Nextel (234%), do setor de telecomunicações, e o Hospital N. S. Conceição (205%), do Rio Grande do Sul.

As 20 empresas mais endividadas do Brasil

 

Exame

Veja Também

O novo escritório: empresas miram interação social no contrafluxo do home office

Pandemia reforça tendência de empresas repensarem espaços para promover encontros, e não só servir de …