Backer pede autorização na Justiça para vender cerveja estocada

 

Ideia da empresa é comercializar os produtos que estariam sem risco de contaminação; Ministério diz que cervejaria deve garantir segurança

cervejaria Backer informou que pediu à Justiça autorização para vender um estoque de cervejas que não está contaminado.

Segundo a companhia, trata-se de 443 mil garrafas da bebida que estariam “de acordo com os padrões oficiais de identidade e qualidade estabelecidos” pelo Mapa (Ministério da Agricultura e Pecuária). A empresa alega que vai usar o dinheiro das vendas para pagar funcionários, fornecedores e vítimas das cervejas contaminadas com os anticongelantes dietiloglicol e monoetilenoglicol.

O Mapa confirmou o interesse da empresa em reabrir a fábrica que está interditada desde janeiro deste ano. Segundo o órgão, o pedido só será atendido “após a cervejaria cumprir as exigências feitas pelo Mapa e ser capaz de garantir a segurança da produção futura”.

Nesta terça-feira (9), a Polícia Civil concluiu as investigações sobre a intoxicação de pelo menos 29 consumidores. Funcionários da empresa foram indiciados por homicídio e lesão corporal, enquanto os sócios formam enquadrados por não retirar do mercado os produtos contaminados.

Segundo os investigadores, furos nos tanques de produção de cerveja causaram a contaminação.

 

R7

 

Veja Também

TCU requisita material sobre contratação de Moro por consultoria americana

O ministro Bruno Dantas, do Tribunal de Contas da União (TCU), deu o primeiro passo …