terça-feira , dezembro 7 2021

Movimento negro pede indenização de R$ 40 milhões à Zara após caso de racismo

A Educafro (Educação e Cidadania de Afrodescendentes e Carentes) e o Centro Santo Dias de Direitos Humanos, duas entidades relacionadas ao movimento negro, ingressaram na Justiça do Ceará contra a Zara, rede de lojas de roupa, pedindo R$ 40 milhões de indenização por dano moral coletivo.

De acordo com Márlon Reis, advogado que representa as ONGs na ação, “não é um ponto isolado da Zara. Existe uma posição do comércio, especialmente das lojas situadas em shoppings, em lugares ‘sofisticados’, em que há evidentemente uma política de branqueamento da clientela.”

O caso, que gerou a ação, aconteceu no dia 14 de setembro, quando Ana Paula Barroso, delegada e diretora-adjunta do Departamento de Proteção aos Grupos Vulneráveis da Polícia Civil do Ceará, relatou ter sofrido a discriminação racial em um shopping de Fortaleza.

Segundo Ana Paula, na situação, o funcionário disse que a impedia de entrar na loja da Zara por uma suposta determinação da segurança do shopping.

De acordo com representantes da Zara, a ação do funcionário se deu porque a advogada estava tomando sorvete no momento que entrava no local, utilizando a máscara de forma inadequada e, portanto, contrariando os protocolos exigidos contra a covid-19.

Ana Paula confirma que estava tomando sorvete na ocasião, mas também afirma que teria questionado o funcionário se esse era o motivo que impedia a entrada. Contudo, o homem teria apenas repetido que ação era determinação da segurança do shopping.

Após um tempo, ao falar com o chefe de segurança do shopping e retornar à loja, o gerente da Zara confirmou a história da delegada, desculpando-se em seguida.

No dia 20, a Polícia Civil do Ceará foi ao local recuperar as imagens de vídeo do circuito interno de segurança.

As informações são do UOL.

Veja Também

Juíza suspende atividade profissional de sete advogados suspeitos de fraude; OAB-GO vai recorrer

Sete advogados tiveram a atividade profissional suspensa cautelarmente, por força de decisão judicial, por suspeita …