Fundação Cultural Cristo Rei se solidifica como centro irradiador de cultura e inclusão

A Fundação Cultural Cristo Rei foi reinaugurada no último dia 05-09-2019, após ter passado por uma ampla reforma através do IPHAN- Instituto do Patrimônio Histórico Nacional. Na reforma, todos os ambientes foram modernizados com projeto de combate a incêndios, regras de acessibilidade (elevador, banheiros adaptados, rampa de acesso), iluminação adequada, climatização, móveis novos, inclusão de salas de reservas técnicas com móveis específicos para a guarda adequada do acervo, recebendo também uma área destinada a exposição dos vestígios arqueológicos retirados dos sítios impactados em Caldeirão Grande no Piauí, onde está sendo construído um parque eólico.  A equipe do Portal Revista Direito Hoje conversou com a diretora da FCCR, Mônica Mendes da Rocha, para saber mais detalhes de como está o funcionamento da fundação em Teresina.
Direito Hoje – Qual a importância da reinauguração da Fundação Cultural Cristo Rei?

Mônica Mendes da Rocha – A FCCR  se coloca como centro de irradiação de cultura e patrocinadora de inclusão social em nossa cidade de Teresina.

Um dos nossos objetivos estratégicos, entre outros, é a construção de relações entre o museu/atividades culturais/educativas e as  escolas públicas e particulares, sendo uma grande oportunidade para os envolvidos de ampliar repertório e criar diálogos com a sala de aula.

A Fundação ainda desenvolve um projeto voltado para atendimento de crianças das escolas municipais e estaduais do Bairro Cristo Rei e bairros vizinhos, oferecendo aulas de reforço, educação museológica/patrimonial, palestras educativas, oficinas, clube de leitura e atividades lúdicas.

DH – Qual o acervo do Museu Dom Avelar Brandão Vilela?

MM – A FCCR contempla o Museu Dom Avelar Brandão Vilela, a Biblioteca Pe. Gabriel Malagrida sj e o Setor de Arqueologia Lygia Martins.

O Museu possui um acervo eclético, contendo coleções de Numismática, Arqueologia, Zoologia, Conquiliologia, Mineralogia, Fósseis e Arte Popular Mundial. Temos um acervo com 21.400 peças inventariadas. Destaco a coleção de Numismática, que compõe um acervo de 14.800 moedas/medalhas do mundo inteiro, catalogadas, tendo inclusive, moedas do período de antes de Cristo.

DH – Há vestígios de sítios arqueológicos de Cadeirão Grande no Piauí no museu…
MM – Nesse sítio, de nome Sítio Brite-Cachoeirinha, foram encontrados vestígios históricos e pré-históricos, com artefatos cerâmicos de uso cotidiano de tradição TUPI (povo indígena que viveu na pré-história e que ocupou grande parte do território brasileiro).
DH – Qual horário de visitação para o público em geral?
MM – O horário de atendimento ao público é de terça a sábado. Sendo, de terça a sexta-feira das 9h às 17h e, aos sábados, de 8h às 12h. Cobramos apenas uma pequena taxa de manutenção de R$ 2,00 (meia) e R$ 4,00 (inteira).

Veja Também

Congresso e STF decretam luto oficial por 100 mil mortes de covid

Presidentes do Legislativo e do Judiciário se manifestaram neste sábado em solidariedade às vítimas da …