terça-feira , dezembro 7 2021

DF: Filho de desembargador é condenado por crime de 1999

Réu esfaqueou vítima em briga de trânsito e chegou a dizer que não poderia ser preso por ser filho de uma pessoa importante

O Tribunal do Júri de Brasília condenou um homem a oito anos de prisão por um crime cometido em 1999. Ele foi denunciado pelo MPDFT (Ministério Público do Distrito Federal e Territórios) após esfaquear uma vítima na Asa Norte, 22 anos atrás, durante uma briga de trânsito. Na ocasião, ele disse que não poderia ser preso por ser filho de uma pessoa importante.

O pai do homem condenado é um desembargador do TJDFT (Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios). Segundo o MPDFT, o processo sofreu “inúmeros incidentes processuais, inclusive com paralisações injustificadas”. Porém, nesta última quinta-feira (30), o réu foi condenado pelo júri popular.

Indiciado por tentativa de homicídio, ele vai cumprir a pena em regime inicialmente semiaberto, ou seja, tendo o direito de trabalhar e fazer cursos fora da prisão durante o dia, mas retornando à unidade penitenciária durante a noite.

O caso

O réu foi denunciado pelo Ministério Público por ter desferido golpes de faca contra uma vítima em 26 de março de 1999, entre a CLN 109 e a 110, na Asa Norte, após uma briga de trânsito. Detido por policiais militares, o homem reforçou que não seria preso por causa da importância do cargo do pai, segundo o relato de testemunhas.

“Durante todo esse período, o MPDFT atuou para manter a regularidade do andamento processual e garantir o julgamento perante o Tribunal do Júri, conforme previsto em lei para os casos de crimes dolosos contra a vida. De acordo com a promotoria, o esforço conjunto com o Tribunal do Júri foi fundamental para que o caso fosse a julgamento”, informou o Ministério Público, em nota.

R7

Veja Também

Juíza suspende atividade profissional de sete advogados suspeitos de fraude; OAB-GO vai recorrer

Sete advogados tiveram a atividade profissional suspensa cautelarmente, por força de decisão judicial, por suspeita …