Câmara analisa destaques ao projeto da educação domiciliar

Texto-base foi aprovado ontem, mas alguns deputados tentam alterá-lo nesta manhã

Os deputados analisam neste momento os destaques apresentados à proposta que permite a educação domiciliar no ensino básico (PL 3179/12).

O Plenário aprovou ontem o substitutivo da deputada Luisa Canziani (PSD-PR) ao projeto do deputado Lincoln Portela (PL-MG). O texto estabelece as seguintes condições para a educação domiciliar:
– o estudante deve ser matriculado todos os anos em uma instituição de ensino;
– o aluno deverá passar por avaliação anual para testar a aprendizagem, que podem ser os exames do sistema nacional de avaliação da educação básica ou exames do sistema estadual ou municipal;
– pais ou responsáveis pelo ensino domiciliar deverão ter nível superior ou profissional tecnológico e não podem ter antecedentes criminais;
– pais ou responsáveis devem enviar para escola, a cada três meses, o registro das aulas e atividades;
– um tutor da instituição de ensino terá encontros semestrais com o aluno, os pais ou responsáveis e os preceptores;
– o ensino domiciliar deve seguir o conteúdo da Base Nacional Comum Curricular.A deputada Sâmia Bomfim (Psol-SP) pediu a retirada de pauta da proposta. “O ensino domiciliar é uma opção dos pais de alta renda, algo convervador e retrógrado”, atacou. Já o deputado Marcel Van Hattem (Novo-RS) defendeu que os pais que fazem ensino domiciliar precisam de segurança jurídica.

A deputada Erika Kokay (PT-DF) teme que a proposta prejudique a qualidade do ensino. Por sua vez, o deputado Otoni de Paula (MDB-RJ) lembrou dos recursos destinados pelo governo à educação.

Foto: Paulo Sérgio/Câmara dos Deputados 
Divulgação 

Reportagem – Francisco Brandão
Edição – Natalia Doederlein

Fonte : Agência Câmara de Notícias

 

Veja Também

Comissão aprova proposta que articula formação técnica e aprendizagem profissional

Proposição, que dispõe sobre a formação técnica profissional e tecnológica, segue para o Senado A …